Finanças

Gestão financeira pessoal? O que é e qual a importância

É muito comum ouvir de pessoas que não possuem nenhum tipo de gestão financeira pessoal que as contas estão no vermelho e que não conseguiram pagar algumas delas de forma integral, ficando sem dinheiro antes mesmo do mês chegar ao fim. Esse problema, inclusive, já pode ter acontecido até mesmo com você, que em algum momento da sua vida acabou gastando mais do que devia e ficou sem recursos financeiros durante um tempo.

Ocorre que, a gestão financeira pessoal é algo necessário a todas as pessoas, não apenas a empresas ou outros órgãos. Ter o controle sobre os gastos pessoais é uma atitude que todos nós devemos desenvolver, evitando assim incorrer em dívidas que comprometam grande parte da nossa renda. Pensando nisso, separamos algumas dicas para ter uma boa gestão financeira pessoal, portanto, continue a leitura e fique por dentro de nossas dicas.

Veja também:
Melhores dias para ter uma organização financeira
Fundos multimercados: Descubra mais sobre eles
Confira a Importância da Contabilidade Consultiva

O que é a gestão financeira pessoal?

A gestão financeira pessoal, nada mais é, do que saber exatamente quais são os seus gastos mensais, a sua renda total e as formas de planejamento e tomada de decisões na hora de alocar os seus gastos, separando parte deles para fazer investimentos no mercado financeiro. Resumindo, significa saber todos os seus gastos e a sua renda, com o objetivo de identificar os valores que possui disponível para realizar investimentos.

Ter esse controle sobre suas finanças é essencial para se alcançar o sucesso de um empreendimento, mas não se limita a apenas isso. Os reflexos dessa prática afetam diretamente o nosso cotidiano, influenciando em nossa qualidade de vida. Ocorre que, a cultura do nosso país não é voltada a fazer esse planejamento financeiro e gestão financeira pessoal, onde as pessoas não são ensinadas a respeitar o dinheiro.

Quando não respeitamos o dinheiro, acabamos por ficar no vermelho na hora de pagar as contas, haja vista que não existe um gerenciamento adequado do salário, sendo induzido a acumular várias contas não pagas e gastar dinheiro com coisas totalmente desnecessárias, que não possuem nenhum tipo de utilidade no dia a dia e na vida da pessoa, como no caso de roupas em excesso ou outros bens comprados por impulso.

Através de um controle feito de maneira adequada, por meio da gestão financeira pessoal, a pessoa sabe exatamente o que está sendo gasto e para onde o seu dinheiro está indo, tendo acesso a outras informações importantes como os gastos excessivos e supérfluos, que acabam apenas por atrapalhar a saúde financeira e o crescimento do patrimônio da pessoa.

Uma coisa que ocorre com bastante frequência e é comum para grande parte das pessoas é gastar todo o seu salário e ao final do mês não saber onde toda essa quantia foi gasta. Isso ocorre, pois, gastamos sem perceber, comprando uma coisa aqui e outra ali, onde, ao final de cada mês, o valor somado dessas pequenas compras acabam por consumir parte expressiva do seu salário, ficando sem recursos suficientes para outros pagamentos.

O que estamos tentando dizer é: não é preciso se abster de todos os seus gastos, inclusive em relação aqueles gastos que proporcionam prazer e satisfação, como os gastos com comida, lazer, entre outros. Não estamos aconselhando a se privar de tudo, mas sim, saber a forma correta de gastar o seu dinheiro, guardando parte dele para realização de investimentos que irão ajudá-lo a alcançar outros sonhos.

Qual a importância da gestão financeira pessoal?

Uma boa gestão financeira pessoal é responsável pela expansão e preservação do patrimônio da pessoa para as próximas gerações que estão por vir, como os seus filhos, netos e bisnetos, assegurando um padrão de vida confortável para essas pessoas e para si mesmo, haja vista que essa gestão financeira pessoal pode melhorar a sua qualidade de vida, através do investimento de parte do seu salário em ativos financeiros.

Portanto, essa gestão tem importância não só para você, como para as futuras gerações que virão após você, garantindo um padrão de vida adequado para si e para os próximos que estão por vir. Dessa forma, vale a pena contratar um bom profissional para ajudá-lo nessa tarefa, de modo a ter um direcionamento adequado a respeito da quantia investida e dos objetivos que deseja alcançar a partir desse investimento, seja ele a curto, médio ou longo prazo.

Como fazer uma boa gestão financeira pessoal?

Um bom começo é registrar todas as suas contas que precisam ser pagas no final do mês, no entanto, não se limita apenas a isso, caso queira uma gestão financeira pessoal eficaz e que permita uma maior liberdade. Para ser possível utilizar o seu dinheiro da melhor forma possível, com inteligência e sabedoria, é necessário se atentar a outros detalhes que citaremos em seguida.

Crie um controle mensal

Dificilmente as pessoas têm um controle das contas mensais e muito provavelmente você é uma delas. Se esse for o caso, inicialmente deve-se criar uma planilha com todos os gastos mensais, pois é por meio dessa planilha que será possível fazer um acompanhamento das suas despesas fixas mensais e daquelas que não são fundamentais a manutenção da sua vida cotidiana, ou seja, os famosos gastos desnecessários.

É bastante simples fazer esse controle mensa, sendo necessário apenas utilizar uma planilha, como a do Google, por exemplo, e acrescentar todas as suas fontes de renda, somando todos os valores ao final. Feito isso, é necessário registrar todos os valores das suas despesas mensais, incluindo os necessários e desnecessários. Ao final, será possível saber a diferença entre a sua renda e sua despesa.

Registre todas as movimentações financeiras

Registrar apenas as contas fixas não é o ideal a se fazer. É necessário que todas as movimentações financeiras que acarretem um decréscimo nos valores que você possui devem ser registrados, como, por exemplo, o abastecimento do carro, os jantares em restaurantes, as compras de supermercado e farmácia, entre outros, que devem ser todos registrados na sua planilha.

É de extrema importância que o hábito de sempre realizar esse registro seja adquirido, de forma a saber exatamente para onde foi o dinheiro que sobrou das despesas fixas mensais. Para isso, é necessária uma rigorosidade maior, anotando, inclusive, o café que toma fora e outros pequenos gastos que a princípio podem parecer irrelevantes, mas que, ao final do mês, fazem toda a diferença na sua vida.

Reserve dinheiro para despesas anuais

Algumas despesas merecem um pouco mais de atenção, como, por exemplo, aquelas despesas que são cobradas ao final do ano, tal como o DPVAT, IPVA, e IPTU, onde não é possível escapar do seu pagamento. Uma dica para que esses valores não pesem no seu bolso é fazer um cálculo, pegando o valor total da dívida e dividi-la por 12. O resultado será a quantidade de dinheiro que você precisará guardar todos os meses para pagá-lo.

Essa simples técnica pode ajudá-lo, fazendo com que essas despesas não se tornem um monstro ao final do ano, pagando elas de forma bastante simplificada, através dessas pequenas dicas que ajudam a poupar uma quantia ínfima de dinheiro todos os meses, mas que fará diferença ao final do ano.

Defina metas e objetivos financeiros

Por um, uma das principais dicas é a definição de metas e objetivos. Ao sabermos para quê iremos guardar o dinheiro, o processo se torna mais fácil e funciona como uma motivação para evitar gastos desnecessários. Ao definir a compra de uma moto no final do ano, por exemplo, guardar dinheiro para alcançar esse objetivo é muito mais simples, haja vista que sabemos exatamente o porquê de estarmos guardando esse dinheiro.

Similar Posts